Artigo - EQUILÍBRIO EMOCIONAL, QUOTIDIANO, SABEDORIA, SOCIEDADE,

William James sobre a Psicologia do Hábito

“Estamos girando nossos próprios destinos, bons ou maus, nunca poderão ser desfeitos. Cada menor golpe de virtude ou de vício deixa sua cicatriz nunca tão pequena”

4
Shares
habits

“Nós somos o que fazemos repetidamente,” Aristóteles famosamente proclamou. “Excelência, então, não é um ato, mas um hábito.” Talvez o mais fascinante na recente Vanity Fair, de Michael Lewis, sobre o perfil de Barack Obama é, de fato, a relação do presidente com o hábito – particularmente sua otimização dos comportamentos cotidianos a tal ponto que exigem o mínimo de carga cognitiva possível, permitindo que ele se concentre nas decisões importantes, na excelência.

Eu achei isto interessante não apenas por solipsismo, como de alguma forma validou o fato de eu ter tido o mesmo café da manhã todos os dias por quase uma década (aveia grossa, iogurte grego sem gordura, pó de proteína de soro de leite, fruta da estação), mas também porque não é uma ideia nova. De fato, os mesmos princípios que Obama aplica à arquitetura de sua vida cotidiana são aqueles que o psicólogo e filósofo pioneiro William James escreveu em 1887, quando escreveu Habit ( biblioteca pública ; domínio público ) – um breve tratado sobre como nossos padrões de comportamento moldam quem nós somos e ao que frequentemente nos referimos como caráter e personalidade .

Quando olhamos para as criaturas vivas de um ponto de vista externo, uma das primeiras coisas que nos impressionam é que elas são pacotes de hábitos. Em animais silvestres, o ciclo habitual de comportamento diário parece uma necessidade implantada no nascimento em animais domesticados, e especialmente no homem, parece  em grande medida, ser o resultado da educação. Os hábitos para os quais há uma tendência inata são chamados de instintos; alguns daqueles devidos à educação seriam chamados pela maioria das pessoas de atos da razão. Assim, parece que o hábito abrange uma parte muito grande da vida, e que aquele que se dedica a estudar as manifestações objetivas da mente está obrigado desde o início a definir claramente quais são seus limites.

James começa com um relato estritamente científico e fisiológico do cérebro e de nossos grupos de padrões de informação arraigados , explorando a noção de neuroplasticidade um século antes de se tornar um termo da moderna neurociência popular e oferecer essa definição elegante:

Plasticidade… no sentido amplo da palavra, significa a posse de uma estrutura fraca o suficiente para produzir uma influência, mas forte o suficiente para não produzi-la toda de uma só vez.

Em seguida, ele faz a ponte entre o corpo e a mente para esclarecer como os “loops de hábitos” dominam nossas vidas:

O que é tão claramente verdadeiro do aparato nervoso da vida animal dificilmente pode ser diferente do que é ministrado à atividade automática da mente … Qualquer sequência de ação mental que tenha sido repetida frequentemente tende a se perpetuar; para que nos sintamos automaticamente motivados a pensar, sentir ou fazer aquilo que estivemos acostumados a pensar, sentir ou fazer sob circunstâncias semelhantes, sem qualquer propósito conscientemente formado ou antecipação de resultados.

Ele finalmente traz essa lente para a ciência social, pintando uma imagem um tanto sinistra do hábito como uma espécie de transe:

O hábito é, portanto, o enorme volante da sociedade, seu agente conservador mais precioso. Somente isso é o que nos mantém todos dentro dos limites da ordem e salva os filhos da fortuna das revoltas invejosas dos pobres. Isso sozinho impede que os caminhos mais difíceis e mais repulsivos da vida sejam abandonados por aqueles que foram trazidos para lá. Mantém o pescador e o convés no mar durante o inverno; ele segura o mineiro em sua escuridão, e cega o interiorano em sua cabana de madeira e sua fazenda solitária durante todos os meses de neve; nos protege da invasão dos nativos do deserto e da zona congelada. Faz todos nós condenar a batalha da vida nas linhas de nossa educação ou de nossa escolha inicial, e fazer o melhor de uma perseguição que discorda, porque não há outra para a qual estamos preparados, e é tarde demais para começar de novo. Isso impede que diferentes camadas sociais se misturem. Já com a idade de vinte e cinco anos você vê o maneirismo profissional se estabelecendo no jovem viajante comercial, no jovem médico, no jovem ministro, no jovem conselheiro. Você vê as pequenas linhas de clivagem percorrendo o personagem, os truques do pensamento, os preconceitos, os caminhos da “compra”, em uma palavra, da qual o homem pode escapar não mais do que a capa de seu casaco pode de repente cair em um novo conjunto de dobras. No geral, é melhor que ele não escape. É bom para o mundo que na maior parte de nós, com a idade de trinta anos, o personagem tenha se tornado um emplastro e nunca mais se suavize novamente.

Isso nos leva à questão da educação, cuja responsabilidade é acompanhar a formação do hábito e restringir as deliberações diárias de que Obama se livrou alegremente:

A grande coisa, então, em toda a educação, é tornar nosso sistema nervoso nosso aliado em vez de nosso inimigo. É para financiar e capitalizar nossas aquisições e viver à vontade com o interesse do financiamento. Para isso, devemos fazer, de forma automática e habitual, o mais cedo possível, tantas ações úteis quanto pudermos, e nos resguardarmos contra o crescimento de costumes que possam ser desvantajosos para nós, pois devemos nos proteger contra a praga. Quanto mais detalhes de nossa vida diária pudermos entregar à custódia sem esforço do automatismo, mais nossos poderes superiores da mente serão liberados para seu próprio trabalho. Não há ser humano mais miserável do que aquele em quem nada é habitual, senão a indecisão, e para quem a iluminação de todo charuto, a bebida de cada copo, o tempo de levantar-se e ir para a cama todos os dias e o início de cada pedaço de trabalho, são sujeitos de deliberação volitiva expressa.

Ele prossegue oferecendo três máximas para a formação bem-sucedida de novos hábitos:

1.  Na aquisição de um novo hábito, ou o afastamento de um antigo, devemos ter o cuidado de nos lançarmos com uma iniciativa tão forte e decidida quanto possível. Acumule todas as circunstâncias possíveis que reforçarão os motivos certos; coloque-se assiduamente em condições que encorajem o novo caminho; torne os compromissos incompatíveis com o antigo; assumir um compromisso público, se o caso permitir; Em suma, envolva sua resolução com toda ajuda que você puder. Isso dará ao seu novo começo um impulso tão grande que a tentação de fracassar não ocorrerá tão logo possa; e todos os dias durante os quais um colapso é adiado aumenta as chances de que ele não ocorra.

2. Nunca sofra uma exceção até que o novo hábito esteja firmemente enraizado em sua vida. Cada lapso é como a queda de uma bola de cordas que se está enrolando com cuidado; um único deslize desfaz mais do que um grande número de voltas fluindo novamente. A continuidade do treinamento é o grande meio de fazer com que o sistema nervoso aja infalivelmente certo … É surpreendente o quão rápido um desejo morrerá de inanição se nunca for alimentado.

3. Aproveite a primeira oportunidade possível para agir em cada resolução que você faz, e em cada inspiração emocional que você pode experimentar na direção dos hábitos que você aspirar a ganhar. Não é no momento de sua formação, mas no momento de produzir efeitos motores, que essas resoluções e aspirações comunicam a nova ‘composição’ para o cérebro.

Naturalmente, como é frequentemente o caso com o famoso conselho, James imediatamente segue com um aviso que ecoa a eloquente definição de caráter de Joan Didion:

Não importa quão completo seja o reservatório de máximas que alguém possa possuir, e não importa quão bons sejam os sentimentos, se alguém não tiver aproveitado todas as oportunidades concretas para agir, o caráter de alguém pode permanecer totalmente inalterado pelo melhor. Com meras boas intenções, o inferno é proverbialmente pavimentado. E esta é uma consequência óbvia dos princípios que estabelecemos. Um ‘personagem’, como diz JS Mill [ed: James atribui erroneamente as citações – Mills está citando Novalis], ‘é uma vontade completamente antiquada’; e uma vontade, no sentido em que ele a quer dizer, é um agregado de tendências para agir de maneira firme, rápida e definida sobre todas as principais emergências da vida. Uma tendência a agir só se torna efetivamente enraizada em nós em proporção à frequência ininterrupta com a qual as ações realmente ocorrem, e o cérebro “cresce” para seu uso.

Ele faz um caso, mais uma vez, pela consistência do esforço, oferecendo uma máxima final:

Assim como, se deixarmos nossas emoções evaporarem, elas se evaporam; portanto, há razão para supor que, se muitas vezes nos esquivarmos de nos esforçarmos, antes que percebamos, a capacidade de fazer esforços desaparecerá; e que, se sofrermos a perambulação da nossa atenção, ela passará o tempo todo perambulando. Atenção e esforço são … nada além de dois nomes para o mesmo fato psíquico.
[…]
Mantenha a faculdade de esforço viva em você através de um pouco de exercício livre todos os dias. Isto é, seja sistematicamente ascético ou heróico em pequenos pontos desnecessários, faça todos os dias ou um ou outro dia algo por nenhum outro motivo a não ser que você preferiria não fazê-lo, de modo que quando a hora da grande necessidade se aproximar, não o encontrará desanimado e não treinado para suportar o teste. O ascetismo desse tipo é como o seguro que um homem paga em sua casa e seus bens. O imposto não lhe faz bem na época e, possivelmente, talvez nunca lhe traga retorno. Mas se o fogo vier, ele terá pago sua salvação da ruína.

Ele adverte sobre a gravidade de nossas escolhas habituais, por menores que possam parecer:
O estudo fisiológico das condições mentais é, portanto, o mais poderoso aliado da ética da horticultura. O inferno a ser suportado daqui em diante, do qual a teologia conta, não é pior do que o inferno que fazemos para nós mesmos neste mundo, habitualmente moldando nossos personagens de maneira errada. Pudessem os jovens perceberem que em breve eles se tornarão meros conjuntos de hábitos, dariam mais atenção à sua conduta enquanto estivessem no estado plástico.

Nós estamos girando nossos próprios destinos, bons ou maus, e nunca serão desfeitos. Cada menor golpe de virtude ou de vício deixa sua cicatriz nunca tão pequena… Nada do que fazemos é, em literalidade científica estrita, aniquilado.

James conclui com uma validação atemporal da coragem como o segredo para o sucesso :

Que nenhum jovem tenha qualquer ansiedade sobre o resultado de sua educação, qualquer que seja a linha dela. Se ele se mantiver fielmente ocupado a cada hora do dia de trabalho, pode seguramente deixar o resultado final para si mesmo. Ele pode, com perfeita certeza, contar com um belo amanhecer, para se ver um dos competentes de sua geração, em qualquer objetivo que possa ter escolhido. Silenciosamente, entre todos os detalhes de seus negócios, o poder de julgar em toda essa classe de matéria terá se construído dentro dele como uma possessão que nunca passará. Os jovens devem conhecer esta verdade antecipadamente. A ignorância disso provavelmente gerou mais desencorajamento e desânimo nos jovens que embarcam em carreiras árduas do que todas as outras causas juntas.

 

Artigo publicado originalmente em Brain Pickings e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook