Artigo - MOTIVAÇÃO, QUOTIDIANO, SABEDORIA, SOCIEDADE,

A prática do morrer

Como podemos morrer com dignidade?
Esta é uma questão muito importante para todos nós.

0
Shares
istock_93140145_xxxlarge-e1474303340894

Eu não sou uma trabalhadora de cuidados paliativos, mas eu já estive com vários amigos e entes queridos enquanto eles estavam partindo, e cada vez me senti profundamente tocada e inspirada pela coragem e sabedoria que eu testemunhei em suas mortes. Foi um grande presente – pessoalmente, foi uma verdadeira oportunidade para mim. De fato, em cada caso, a pessoa que estava indo embora, realmente me ensinou como apoiá-la … e eu apenas segui a condução delas. Eu tenho uma experiência em particular, que pode ser útil.

Muitos anos atrás, quando ele estava em seus primeiros 40 anos, um amigo querido e membro da nossa comunidade espiritual, Roy, descobriu que ele tinha um avançado câncer de pulmão. Roy era um empresário japonês, faixa preta de Karate, muito capaz e bonito. Ele tinha uma esposa amorosa, uma filha e um bebê a caminho. Ele lidou com as más notícias com tanta dignidade e sempre dizia: “Prepare-se para o pior, espere pelo melhor.” Ele era um pouco micromanager. Na verdade, ele mantinha uma prancheta ao lado de sua cama e cuidava de seu corpo, remédio e dieta com precisão. Ele também era um meditador dedicado e tinha muita fé.

Quando sua condição começou a piorar, mudei-me para estar perto dele e tive a grande honra de passar todas as tardes com ele no último mês de sua vida. Ele sempre foi o presidente e um importante administrador de nossa organização espiritual, Mangala Shri Bhuti. Então, todas as tardes, falaríamos sobre a logística relativa ao futuro da organização e das atividades de nosso professor (Dzigar Kongtrul Rinpoche). Ele compartilhava sua visão em como apoiar os outros e me dava muitos conselhos. Ele tinha muito cuidado com os outros e pouca preocupação consigo mesmo.

Após cerca de 30 minutos de discussão, ele dizia: “Ok, agora vamos fazer a prática do morrer”. O que isso significava era que ficaríamos quietos por cerca de 30 a 40 minutos e deixaríamos tudo como se estivéssemos deixando este mundo.
Ouvi dizer que o Dalai Lama faz a pratica do morrer quatro vezes por dia. Uma vez eu vi ele fazer essa prática em um vídeo. Isso me lembrou de Roy. Fazer isso todos os dias durante um mês foi precioso – um tempo para nos afastarmos do mundo, muitas vezes somos apanhados para experimentar o presente transitório desta vida humana.
Foi pungente toda e a cada vez … mas à medida que o tempo dele se aproximava, começou a ser ainda mais poderoso e “pleno”.

De acordo com a tradição do budismo tibetano, quando alguém morre, há rituais e orações que os entes queridos recitam para apoiar a transição para o indivíduo e ajudar seus entes queridos a processar a perda e lembrar a impermanência da vida. Muitas vezes colocamos objetos de bênção no corpo físico. Um dia, enquanto seu corpo começava a ceder, Roy disse: “Ok, vamos realmente fazer isso.” Eu entendi que, “isso não é apenas uma prática … faça como se você estivesse morrendo de verdade sem se segurar.”

Naquele dia, ele tirou a sua camisa e colocou os objetos em seu corpo para que eu soubesse exatamente o que fazer no momento de sua morte. Foi muito íntimo porque Roy, sendo japonês, era um pouco formal e nós tínhamos um relacionamento que parecia irmão e irmã. Esta foi a primeira vez que o vi abandonar esse nível de formalidade. Naquele dia, a prática da morte parecia como um completo abrir mão. Era palpável e eu podia literalmente sentir nós dois “morrendo” – abrindo mão – e eu percebi que ele estava pronto. Este também é o dia em que ele finalmente colocou sua prancheta e parou de mandar em todo mundo.

Nos últimos dias de sua vida, ele lentamente se retirou, como se estivesse no meio do caminho. Eu tinha muita confiança nele. Tudo parecia tão natural, imediato e vivo. As pessoas geralmente descrevem estar perto de alguém que está indo embora dessa forma. Quando os amigos e entes queridos de alguém morrendo estão dispostos a estar presentes e também sentem a pungência deste tempo especial, é verdadeiramente sagrado. Eu acho que é uma surpresa porque todos nós temos tanto medo da morte. Mas muitas pessoas que trabalham em hospitais e com pessoas que têm doenças fatais (incluindo minha mãe que fez esse trabalho por muitos anos), descrevem como as pessoas no final de suas vidas muitas vezes encontram uma paz, significado e liberdade que nunca experimentaram antes na vida deles. Tudo de estranho e sem importância apenas desaparece.

Não acho que exista um modelo para o que se deve fazer nessa situação. Cada pessoa e circunstância é diferente. Mas prestar atenção e permanecer presente é fundamental e determinará como você responde. Todos os tipos de idéias criativas surgirão se você fizer isso. Talvez seu amigo faça um pedido. Talvez eles queiram entrar em contato com alguém antes que morram, ou resolvam algo que está inacabado. Talvez ela queira revelar algo ou compartilhar uma história. Talvez você sinta a necessidade de fazer uma oração (esta pode ser uma oração formal ligada a uma tradição particular ou apenas uma aspiração profunda do seu coração), ou simplesmente sentar-se em silêncio com essa pessoa. Às vezes você pode querer passar um tempo quieto consigo mesmo … ou dar um tempo ao seu amigo. Apenas observe e responda.

Além disso, eu gostaria de recomendar um livro lindo e extremamente popular que eu li chamado:  Being Mortal por Atul Gawande, que fala sobre decisões que várias pessoas fizeram sobre como querem viver a última parte de suas vidas e como elas gostaria de morrer. É, a propósito, uma leitura realmente boa … não consegui largar o livro e o li em dois dias!

Naturalmente, nunca sabemos quando vamos morrer e por isso é importante que todos nós encontremos uma maneira de abrir mão em nossas vidas diárias. É por isso que a meditação é tão importante. Eu acho que se você sabe viver, morrer é natural.

E eu acho que estar perto de alguém que está morrendo requer que você realmente olhe para o seu próprio estado mental e ensine muito sobre seu próprio processo.
Se você fizer isso, você saberá como responder.

Artigo originalmente publicado em Mangala Shri Bhuti e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook