Artigo - EQUILÍBRIO EMOCIONAL, MEDITAÇÃO, MOTIVAÇÃO, QUOTIDIANO,

Você não e as suas reações – Parte 3

Em vez de suprimir ou fugir de nossas emoções, elas podem se tornar o estímulo para nossa própria vigília. E permanecendo presentes às sensações que estão ligadas às nossas reações, podemos realmente nos tornar como um guerreiro, confiante e autêntico.

0
Shares
Heart

Cultivar o tipo de consciência desapegada que mencionei nos permite desenvolver uma maturidade em relação às nossas reações emocionais. Adquirimos uma perspectiva que é equilibrada – não encarando as emoções como “preto e branco” – e assim descobrimos que não mais sentimos a necessidade de reagir agressivamente ou julgar nosso próprio comportamento. Em vez de suprimir ou fugir de nossas emoções, elas podem se tornar o estímulo para nossa própria vigília. E permanecendo presentes às sensações que estão ligadas às nossas reações, podemos realmente nos tornar como um guerreiro, confiante e autêntico.

Essa mesma abordagem também é usada com medo. Se você pode simplesmente ficar com o medo, se apegar à reação temerosa e permitir um espaço para descobrir de onde vem esse medo – não criando uma nova cadeia de reações -, então você começa a sentir uma energia realmente despertar dentro de você. Enquanto essa energia desperta, você está se tornando destemido, mesmo com o medo ainda presente, à medida que ele lentamente se transforma em destemor.

A depressão é assim também. As pessoas geralmente se sentem tão terríveis quando estão no fundo dela e, é claro, isso é horrível no começo, antes que você realmente entenda o que é a depressão. Mas uma vez que você pegar o jeito, e mais uma vez deixar-se ter mais espaço para apenas permitir a sensação de depressão, você reconhecerá como as sensações são frequentemente mais físicas do que mentais. Você pode sentir essa sensação incrível de ansiedade no peito ou até mesmo um tipo de medo esmagador de que a Terra está prestes a se abrir na sua frente e derrubá-lo em algum reino inferior miserável.

A depressão geralmente aparece como uma reação física ou química. Em tibetano chamamos isso de “distúrbio do vento”. Se você consegue apenas ficar com ele, sem ter uma cadeia de reações, de físicas a mentais, a respostas emocionais – particularmente não reagindo com um tremendo medo – então você percebe que não é a coisa sólida e terrível que você pode ter imaginado.

Então, sem tentar estudá-la conceitualmente, mas sim entendê-la através de sua experiência, de repente você chegará a um ponto em que não é tão grande assim. Torna-se mais como uma dor de cabeça, mas em vez de estar na cabeça, está no peito, bem entre as costelas ou algo assim. Mas não é mais um grande problema. Pode até ser agradável tê-la porque há muita qualidade de despertar nela. No entanto, se você é preso pelo medo, quando você é pego na cadeia de reações, então isso torna-se mais solidificado e se transforma em uma grande dificuldade, dominando o seu mundo e seus sentidos, e até mesmo interferindo na capacidade de pensar claramente.

Muitas vezes tenho uma sensação de depressão e um peso no peito. Mesmo agora eu tenho, mas você sabe, não parece tão ruim assim. Quando eu experimentei isso como um adolescente, me senti muito mal, mas com o tempo a sensação de “isso parece tão ruim” diminuiu. Essa sensação agora tem a qualidade de despertar. Então, o que estou dizendo é que não é preciso ser um bicho de sete cabeças termos sensações. Não tenha tanto medo de permitir que sensações ocorram.

Isso não é como uma grande e profunda experiência de meditação que estou lhe dizendo para ter, ou o segredo para algum nível profundo de samadhi, ou qualquer coisa assim. Isso é algo que surge em nossa vida cotidiana, e estou tentando enfatizar como isso poderia ser tratado com uma prática de conscientização relativa. Em outras palavras, como usar o seu treinamento espiritual como suporte.

É apenas dar espaço, criando o espaço. Tente dar espaço. Aprenda a dar espaço.

Temos um ditado em tibetano sobre pessoas que têm lungta (tibetano: lit. “cavalo de vento”, indicando forte energia vital) e aquelas que não o tem. Pessoas com muito lungta acordam e atendem primeiro ao cabelo e à cabeça. Mas as pessoas que não têm nenhum pulmão ou um baixo nível de pulmão chegam imediatamente para seus sapatos.

Tente não alcançar seus sapatos. Tente apenas sentar-se e sentir-se no corpo e seguir a cabeça para baixo.

Isto é simplesmente uma indicação de quem é rápido, preso na ansiedade das demandas da vida, e quem tem mais espaço em sua vida e tenta estar presente.

Eu vou para os sapatos o tempo todo, então não é como se eu não fizesse isso também, mas este é o ditado. Minha mãe costumava trazer isso para nós o tempo todo.

Então, por favor, tente fazer isso. E estude-se utilizando estes métodos que mencionei aqui para que você possa saber mais. O meditador diligente é aquele que retorna com sua própria experiência – para revelar mais sobre cujo assunto ele ouviu uma explicação.

 

Artigo originalmente publicado em Mangala Shri Bhuti e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook