Artigo - ATENÇÃO, MOTIVAÇÃO, QUOTIDIANO, SOCIEDADE,

Para controlar a sua vida, controle ao que você presta atenção

1 comment

Um dos melhores insights sobre o que realmente significa produtividade no século 21 remonta a 1890. Em seu livro Os Princípios da Psicologia, Vol 1, William James escreveu uma declaração simples, repleta de significado: “Minha experiência é aquilo que eu concordo em prestar atenção.”

1
Shares
mar18_15_151815075-850x478

Sua atenção determina as experiências que você tem e as experiências que você tem que determinam a vida que você vive. Ou dito de outra maneira: você deve controlar a sua atenção para controlar sua vida. Hoje, em um mundo onde tantas experiências são mescladas – onde podemos trabalhar de casa (ou de um trem, avião ou praia), observamos nossos filhos do trabalho em uma câmera-babá e a distração está sempre há apenas um polegar de rolagem – foi isso algum dia mais verdadeiro?

Gerenciamento da Atenção

Para sermos consistentemente produtivos e gerenciar melhor o estresse, precisamos fortalecer nossa habilidade no gerenciamento de atenção.

O gerenciamento da atenção é a prática de controlar as distrações, estar presente no momento, encontrar o fluxo e maximizar o foco, para que você possa liberar o seu gênio. É sobre ser intencional em vez de reativo. É a capacidade de reconhecer quando sua atenção está sendo roubada (ou tem o potencial de ser roubada) e, ao invés disso, manter o foco nas atividades que você escolher. Em vez de permitir que as distrações o atrapalhem, você mesmo escolhe onde direcionar sua atenção a qualquer momento, com base no entendimento de suas prioridades e objetivos.

Um melhor gerenciamento da atenção leva a uma melhor produtividade, mas é muito mais do que verificar as coisas em uma lista de tarefas. O resultado final é a capacidade de criar uma vida de escolhas, em torno de coisas que são importantes para você. É mais do que apenas exercitar o foco. É sobre retomar o controle sobre seu tempo e suas prioridades.

Aspirações versus Experiências

Os líderes com quem trabalho me dizem: “Acredito no poder de orientar e treinar os membros da minha equipe. A coisa mais importante que posso fazer como líder é apoiá-los e encorajar seu crescimento. É assim que eu faço a diferença e é o que me dá satisfação no trabalho. ”

Porém mais tarde, em nossa conversa, ouço como os dias deles realmente passam: “Eu gasto grande parte do meu tempo em emails e apagando incêndios. Eu comecei o ano com um plano de coaching para minha equipe, mas isso ficou de lado em meio a tudo o mais que estava acontecendo. Meu tête-à-tête com membros da equipe não acontecem com a frequência que gostaria, e o conteúdo é muito “árvore” e não é suficientemente “floresta”.”

Mesmo que você se considere um defensor apaixonado por coaching e mentoring, você não terá o impacto que gostaria se suas ações e experiências não refletirem esses valores. Como James disse, sua experiência é o que você atende. E suas experiências se tornam sua vida. Portanto, se a sua atenção continuar sendo desviada, e os e-mails, reuniões e “incêndios” consumirem seus dias, muito em breve semanas ou meses terão se passado e sua vida se tornará repleta das “experiências” que você nunca pretendeu ter.

Então, por que não temos apenas as experiências que queremos ter e criamos as vidas que realmente queremos levar? Por que esse abismo doloroso existe entre os eus que aspiramos ser e como gastamos o nosso tempo?

O fato de que James já estava pensando sobre esse assunto no século 19 mostra que lutamos há muito tempo com o conflito entre nossos objetivos e valores e a atração das distrações. Mas, é claro, hoje vivemos em um mundo com muito mais distrações do que existiam em 1890. Quando publicou Os Princípios da Psicologia, o telefone era novinho em folha. Hoje, temos celulares conectados à internet e outros dispositivos que estão sempre conosco, fornecendo um volume de informações e comunicação que James não poderia imaginar. Há muito mais concorrência pela nossa atenção.

Vamos voltar ao nosso exemplo de mentoring e coaching. Você pode começar cada dia com a intenção de se concentrar no desenvolvimento de sua equipe. Mas essas intenções podem rapidamente ser eliminadas na correria de demandas que caracterizam nossos dias de trabalho.

Nesse ambiente de trabalho frenético, realizar as coisas que são mais significativas para você não acontece. Você não pode deixar isso ao acaso. Seu ambiente de ocupação apresenta uma escolha após a outra a cada dia sobre o que você irá atender – e quais serão suas experiências.

Escolhendo deliberadamente ao que você presta atenção

É aqui que o gerenciamento de atenção oferece uma solução. É uma abordagem deliberada que coloca você de volta ao controle. Praticar o gerenciamento de atenção significa lutar contra as distrações e criar oportunidades ao longo do dia para apoiar suas prioridades. Primeiro, controle fatores externos:

Controle sua tecnologia
Lembre-se: ela está lá para atendê-lo e não o contrário! Decida assumir o controle desativando as notificações por e-mail e notificações “push”, que são especificamente projetadas para roubar sua atenção. Isso permitirá que você se envolva em períodos mais longos de trabalho focado em tarefas e atividades que você escolher. Sempre que possível e, especialmente, quando você está trabalhando, mantenha seu telefone em silêncio e fora de sua vista.

Controle seu ambiente
Definir limites com os outros, especialmente em um ambiente de escritório aberto. Por exemplo, use fones de ouvido ou coloque um sinal de “não perturbe” quando precisar se concentrar. Se isso não funcionar, tente ir a uma parte diferente do escritório ou até mesmo outro andar do prédio. Se as coisas estiverem realmente ruins, você pode tentar juntar-se a colegas para designar uma certa hora do dia, ou um dia da semana, como um dia de “não distrações” para que todos possam fazer um trabalho com discrição.
Mas aqui está uma verdade negligenciada: nossa produtividade sofre não apenas porque somos distraídos por interrupções externas, mas também porque nossos próprios cérebros, exauridos pelos locais de trabalho frenéticos de hoje, tornam-se uma fonte de distração em si mesmos.

Por exemplo, o problema não é apenas um e-mail interrompendo o seu trabalho. Também é o fato de que estar conectado à sua caixa de entrada de e-mails te condiciona a esperar uma interrupção a cada poucos minutos, o que diminui a sua atenção. Você fica com tanto medo de esquecer de fazer uma pequena tarefa – como enviar um e-mail ou encaminhar um documento – que você começa a fazer tudo assim que pensa naquilo; mas depois você acaba sendo sugado para a caixa de entrada transbordando antes mesmo que você perceba. Além disso, saber que você tem um catálogo de todo o conhecimento do mundo ao seu alcance – em termos da Internet em seu smartphone – dificulta ficar confortável em um estado de “eu não sei” e é difícil evitar a distração, a tentação de “descobrir agora”.

Então você também deve aprender a controlar fatores internos.

Controle o seu comportamento
Use os momentos em que sua tecnologia é domada e seu sinal de não perturbe está pronto para se acostumar a uma tarefa única: abra apenas uma janela na tela do computador e dê toda a atenção a uma tarefa até que esteja concluída ou até que alcance um ponto de pausa designado. Faça pausas durante o dia onde você se afasta do seu computador. Tente “desconectar-se” completamente (sem tecnologia) por pelo menos uma hora ou mais, sempre que puder. Experimente por 15-20 minutos no começo; em seguida, faça uma hora ou até 90 minutos.

Controle seus pensamentos
Para muitos de nós, este é o mais difícil de quebrar, e é por isso que deixei para o final. Mentes são feitas para vagar. Pratique perceber quando sua mente está desviando de sua própria direção e gentilmente guie seu foco de volta para onde você quer. Se você pensar em alguma pequena tarefa importante enquanto estiver fazendo um trabalho focado, anote-a em um bloco de notas e volte a ela mais tarde. Faça o mesmo com as informações que você deseja procurar online.

Praticar o gerenciamento de atenção não eliminará as distrações do seu dia. Mas quando você começa a reconhecer quando se distrai e constrói seu “músculo da atenção” por meio de hábitos como os mencionados acima, começa a recuperar sua vida e a se dedicar mais ao que é realmente importante para você. Não permita que a distração atrapalhe suas aspirações e intenções. Ao invés disso, controle sua atenção para controlar sua vida.

 

Artigo publicado originalmente na Harvard Business Review e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook
Escrito por
Tags
Ocultar Comentários
  • Jaison Rodrigo da Cruz

    Ótima matéria!