Artigo - Compaixão, MEDITAÇÃO, MOTIVAÇÃO, SABEDORIA,

Esqueça a felicidade!

Comentários em dois versos das Trinta e Sete práticas do Bodhsattva, de Tokme Zongpo.

0
Shares
Minako-Iwamura-Spider-Web-Forget-Happiness

“A felicidade dos três mundos desaparece em um instante,
Como uma gota de orvalho em uma folha de grama.
O nível mais alto de liberdade é aquele que nunca muda.
Apontar para isto – esta é a prática de um bodhisattva.”

A busca da felicidade por si só é uma tarefa tola. Como objetivo é frívola e irrealista- frívola porque felicidade é um estado transitório dependente de diversas condições, e irrealista porque a vida é imprevisível e dor  pode surgir em qualquer momento.

A felicidade que você sente quando recebe algo que sempre desejou normalmente não dura mais do que três dias. Os estados de êxtase na meditação são semelhantes, sejam eles surgidos como felicidade física ou emocional ou a felicidade do espaço infinito, da consciência infinita ou do nada infinito. Esses estados logo se dissipam quando você revive a desordem da vida. Uma gota de orvalho em uma folha de grama, de fato!

A busca pela felicidade é uma continuação da visão tradicional da prática espiritual – uma maneira de transcender as vicissitudes da condição humana. Valhalla, paraíso, céu, nirvana, todos prometem a eternidade, a felicidade, a pureza ou a união com uma realidade suprema. Esses quatro anseios espirituais são todas reações escapistas aos desafios que todos enfrentam na vida.

Pare um momento e pense sobre o que você está procurando em sua prática. É um tipo de transcendência, se não em Deus, então em um substituto de Deus, como consciência atemporal, pura felicidade ou luz infinita?

Você está procurando por um estado consciente tão profundo e poderoso que sua frustração e dificuldades com a vida desaparecem na presença de sua compreensão e sabedoria? Você não está procurando por um ingresso para fora da bagunça da vida?

Se você pensa em liberdade como um estado, você está realmente procurando por um tipo de paraíso. Em vez disso, pense em liberdade como uma maneira de experimentar a vida em si, um fluxo contínuo em que surge o que você encontrar na sua experiência, aberto a isso, faça o que precisa ser feito com o melhor de sua capacidade e, em seguida, a receba o resultado. E você faz isso de novo e de novo. Uma liberdade que nunca muda se torna o exercício constante de tudo o que você conhece e entende. É o jeito de você engajar a vida. Não é algo que o diferencia da vida. De que outra forma é possível que as pessoas que praticam na prisão ou em outros ambientes altamente restritos digam que encontram liberdade mesmo dentro de seu confinamento?

A vida é dura, mas quando você vê e aceita o que está realmente acontecendo, mesmo que seja muito difícil ou doloroso, a mente e o corpo relaxam. Há uma qualidade primorosa que vem apenas de experimentar o que surge, completamente, sem separação entre consciência e experiência.

Alguns chamam isso de alegria, mas não é uma alegria tonta ou excitante. É profunda e tranquila, uma alegria que, em algum sentido está sempre lá, esperando por você, mas geralmente tocado somente quando algum desafio, dor ou tragédia deixa você com nenhuma outra opção além de se abrir e aceitar o que está acontecendo em sua vida.

Outros chamam isso de verdade, mas esta é uma palavra carregada e enganosa, levando consigo a noção de algo que existe à parte da própria experiência. A verdade, como conceito, estabelece uma oposição com o que é considerado verdadeiro, e tal dualidade leva à autoridade hierárquica, pensamento institucional e violência.

Nesta liberdade você está livre das projeções de pensamento e sentimentos, e você está desperto e presente em sua vida. As reações ainda podem surgir, mas elas vêm e vão por conta própria, como flocos de neve pousados em uma pedra quente, como neblina sob o sol da manhã ou como um ladrão em uma casa vazia.

O que é liberdade? Nada mais e nada menos que a vida vivida.

“Todo sofrimento vem de querer a sua própria felicidade.
Despertar completo surge da intenção de ajudar os outros.
Portanto, troque completamente a sua felicidade 
Pelo sofrimento dos outros – esta é a prática de um bodhisattva.”

Esqueça sobre ser feliz. Tire isso da sua mente.

Quando você diz para si mesmo: “Eu quero ser feliz”, você está dizendo a si mesmo que não é feliz e começa a procurar por algo que o faça se sentir feliz. Você vai ao cinema, faz compras, sai com amigos, compra uma jaqueta nova, computador ou jóias, lê um bom livro ou explora um novo hobby, tudo no esforço de se sentir feliz. Quanto mais você tenta ser feliz, mais você reforça essa crença de que não é feliz. Você pode tentar ignorá-la, mas a crença ainda está lá.

Mesmo em relacionamentos íntimos, passando muito tempo com um amigo, mesmo ajudando outros ou fazendo outras boas obras, se a sua atenção está naquilo que você está sentindo, no que você está obtendo daquilo, então você vê estes relacionamentos como transações. Porque o seu foco está em como você está se sentindo, consciente ou inconscientemente você está se colocando em primeiro lugar e os outros em segundo lugar.

Essa abordagem desconecta você da vida, da totalidade do seu mundo. Inevitavelmente, você acaba se sentindo prejudicado em seus relacionamentos com sua família, com seus amigos e em seu trabalho. Esses desequilíbrios se espalham e afetam todos ao seu redor e além. A mentalidade transacional do interesse próprio é o problema do mundo moderno.

Se você fosse deixar a busca pela felicidade, o que você faria? Para colocar de forma um pouco mais dramática, suponha que lhe disseram que, não importa o que você fizesse, nunca seria feliz. Nunca. O que você faria com a sua vida?

Você talvez possa prestar mais atenção aos outros. Você pode aceitá-los da maneira como eles são, em vez de procurar formas de fazê-los obedecer à sua ideia de como deveriam ser. Você pode começar a se referir à própria vida, ao invés de olhar para o que você obtém dela. Você pode estar mais disposto a se envolver com o que a vida lhe traz, com todos os seus altos e baixos, em vez de sempre querer que seja diferente do que é.

É aqui que entra a prática de dar e receber. Aceite o que você não quer e dê o que você quer. Aprecie o que é desagradável e dê o que é agradável. Absorva a dor e dê alegria.

Soa um pouco emocionalmente insano suicida, como disse uma pessoa. Mas isso contraria essa tendência profundamente arraigada de se concentrar em si mesmo primeiro e em todos os demais. Usa-se a atitude transacional para a auto-destruir, porque você doa tudo que faz você se sentir feliz e absorve tudo o que faz os outros infelizes.

Não edite sua experiência de vida. O que quer que você encontre – uma pessoa desabrigada tremendo em um concreto gelado, um amigo cujo parceiro o deixou por alguém, um parente que luta com dor crônica, a notícia de fome, guerra, ou os efeitos devastadores da ganância, corrupção ou crenças rígidas – seja qual for a dor, aceite isso.

Não seja mesquinho. Dê aos outros qualquer coisa e tudo que lhe traga alegria. Você é bem sucedido em seu trabalho? Dê seu sucesso. Você tem dinheiro no banco? Envie a alegria do bem-estar financeiro para os outros. Você gosta de sua inteligência, sua capacidade de pensar com clareza e resolver problemas? Entregue-os. Você é talentoso, musicalmente, fisicamente ou artisticamente? Doe seu talento. Você gosta de amigos e companheiros? Entregue-os.

Com cada troca, toque tanto a dor e as deficiências do mundo e sua própria alegria e habilidades. Tome a dor e envie sua alegria.

Essa prática leva à felicidade? De forma alguma; mas ajuda você a entender o sofrimento e as lutas dos outros. Quaisquer que sejam os altos e baixos e alegrias e dores que eles encontram, você pode estar presente com eles, porque você sabe que a vida não é perfeita e você não espera que seja.

Como meu professor disse uma vez: “Se você pudesse realmente tirar o sofrimento de todos no mundo, levando tudo isso para você com uma só respiração, você hesitaria?”

Prática escrita expressamente para a Tricycle. Texto extraído de  “Reflections on Silver River: Tokme Zongpo’s Thirty-seven Practices of a Bodhisattva”, traduções e comentários de Ken McLeod. © 2013. Reimpresso com permissão do Unfettered Mind Media.

PRÁTICA: TOMANDO E ENVIANDO (TONGLEN)

Comece sua sessão de meditação, descansando a atenção na experiência da respiração. Deixe a mente e o corpo se estabelecerem. Em seguida, abra sua consciência para tudo ao seu redor, tudo que você vê, ouve, toca, cheira ou prova. Inclua tudo o que você sente em seu corpo e todas as suas emoções, pensamentos, imagens. Então diga para si mesmo: “Isto é como um sonho”, e pergunte: “O que experimenta isso?” Não tente responder à pergunta. Basta perguntar e descansar por alguns momentos.

Então, pense sobre todas as lutas que você teve em sua vida, na sua família, com a doença, na escola, no trabalho, com o fracasso e decepção, dor e perda, e pense em como todo o resto do mundo tem as mesmas lutas – mais fáceis para alguns, mais difíceis para os outros – e como todos querem se livrar delas, assim como você quer se livrar das suas.

Também pense sobre tudo o que lhe traz alegria, felicidade, significado e paz a sua vida-sua saúde, seus talentos, competências e habilidades, seus sucessos, sua família, amigos, colegas, sua casa ou jardim. Pense em como todos, todos os seres, querem o mesmo tipo de alegria, confiança, paz e liberdade. Descanse por alguns minutos lá.

Agora respire suavemente e imagine que você está dando a todos os seres em todos os lugares tudo o que traz alegria, felicidade, significado, paz ou bem-estar para sua vida. Imagine que tudo toma a forma de luz, uma luz branca suave, como a prata do luar. A luz vem do seu coração, sai pelas narinas e carrega toda a sua alegria e felicidade para todos os seres em todos os lugares.

Enquanto você respira, imagine tomar toda a dor do sofrimento do mundo, toda doença, depressão, obsessão, agressão, opressão, dor, lesão, pobreza, ódio, ou a loucura, a dor de ser prejudicado e a dor de causar danos – tudo o que leva as pessoas a lutar em suas vidas. Imagine que tudo coalesce em uma fumaça espessa, pesada e negra que entra em você, através de suas narinas e em seu coração, onde você o sente.

Você faz isso para todos os seres, sem preconceito, discriminação, preconceito ou preferência. Isso é equanimidade.

Mais uma vez, ao expirar, envie toda a sua alegria e felicidade novamente e, ao inspirar, absorva toda a dor e luta dos outros. Faça isso de novo e de novo. É importante fazer ambos, a cada respiração, tocar sua felicidade e enviá-la, tocar as lutas dos outros e levá-las para dentro.

Você pode encontrar resistência emocional, seja para doar o que você ama ou para absorver o que você teme e odeia. Não importa Inclua sua resistência na prática e faça de qualquer maneira.

À medida que você se acostuma a essa troca, e isso pode demorar um pouco, você pode vir a repousar de uma maneira diferente, numa aceitação profunda da dor do mundo e das lutas que compõem a vida da maioria das pessoas. Nessa aceitação, há uma alegria silenciosa, uma alegria na maravilha da própria vida.

Artigo publicado originalmente na Tricycle e traduzido por Daniele Vargas.

Comentários no Facebook
Escrito por
Tags
Ocultar Comentários