Artigo - ATENÇÃO, MEDITAÇÃO,

Deixando a margem da ilusão

Quando criança, a praticante budista Leslie Davis escapava da sua dolorosa realidade sonhando acordada. Através da meditação, ela aprendeu a resistir ao ímpeto de escapar para dentro de sua mente e a focar no momento presente.

0
Shares
foto por simon rae

Na tradição Budista de Plum Village de Thich Nhat Hanh, durante nossa prática de meditação sentada, ao fim da tarde, nós recitamos um Canto de Fim de Tarde:

Com a postura ereta e estável,
Nós estamos sentados aos pés da Árvore Bodhi.
Corpo, fala e mente são um, em quietude;
Não há mais pensamentos de certo e errado.
Nossa mente e corpo residem em perfeita atenção plena.
Nós descobrimos nossa natureza original deixando a margem da ilusão para trás.
Nobre Sangha, diligentemente traga sua mente para a meditação.
Namo Shakyamunaye Buddhaya

Essa frase sempre se sobressai para mim: “Nós descobrimos nossa natureza original deixando a margem da ilusão para trás.” O que? Deixar a margem da ilusão para trás? Quem disse qualquer coisa sobre deixar? Eu quero permanecer na margem da ilusão, levantar acampamento lá, me deitar ao sol e festar muito. Eu prefiro deixar a margem da realidade para trás e ficar a vontade na ilha da delusão.

Quando criança, eu confiava na minha habilidade de criar um lugar seguro na minha mente para escapar da realidade porque eu não me sentia segura no meu mundo. Meu pai alcoólatra saiu de casa quando eu tinha 10 anos, mas continuava a aparecer sem avisar. Eu tinha medo dos finais de semana porque nunca sabia se e quando ele apareceria, esperando que nós passássemos algum tempo com ele e fingíssemos ser uma família feliz novamente.

Quando aparecia, ele via TV o dia inteiro, enchendo a sala com fumaça de cigarro e cheiro de cerveja. Eu sentava com ele me sentindo presa e escapava para um lugar na minha mente onde os pais levavam suas filhas para passear em trilhas, praias e acampamentos. Sonhar acordada – fantasiar, planejar, imaginar e se preocupar – rapidamente se tornou meu aliado confiável e sempre presente..

Quando me tornei adulta, eu desenvolvi um profundo medo do futuro. Eu sempre queria saber o que iria acontecer em seguida. Eu achava que a minha ansiedade poderia ser amenizada se eu tivesse todos os fatos, toda a informação. Quando me tornei mãe, eu desenvolvi um profundo medo do presente. Como eu poderia ficar em casa com meus dois filhos pequenos e estar presente para eles sem que eu escorregasse para dentro das minhas fantasias ou realidades alternadas?

Depois de meditar por alguns anos, eu aprendi que sonhar acordada leva a uma falsa sensação de esperança por um passado ou futuro que não é real. Eu precisei trabalhar duro para desenvolver uma prática de meditação sentada e caminhando, porque sonhar acordada era meu padrão – minha zona de conforto e minha melhor habilidade de sobrevivência.

Ao longo do tempo eu desenvolvi uma relação muito forte com minha respiração. Eu encontrei uma robustez mental que me ajudava a permanecer no momento presente. Se eu não presto atenção na minha respiração, minha mente foge para fantasia mais próxima, ou cria uma nova aonde possa se agarrar. Quando estou com minha respiração, eu não preciso fugir da realidade. Quando estou com minha respiração, eu consigo lidar com o que é.

Quando nos conectamos com a nossa respiração, nós temos a oportunidade de descobrir a nossa natureza original, o nosso mais verdadeiro eu. Fantasias e distrações mentais se derretem para longe. Essa consciência nos traz para o aqui e agora – o oposto da ilusão.

A margem da ilusão é uma enganadora. Ela nos leva a achar que estamos a salvo em sua margem. Na verdade, se aprendermos a confiar em nossa respiração e a nos conectarmos com o momento presente, nós podemos deixar a margem da ilusão para trás, encontrando nosso verdadeiro lar em nós mesmos – um lugar onde estamos sempre a salvo.

 

Artigo publicado originalmente em lionsroar.com e traduzido por Fábio Valgas

Comentários no Facebook