Artigo - ATENÇÃO, EQUILÍBRIO EMOCIONAL, QUOTIDIANO, SABEDORIA,

Como transformar a raiva em 4 passos

Usando a metáfora tradicional da árvore venenosa, Judy Lief nos ensina quatro técnicas budistas para trabalharmos com a nossa raiva.

3
Shares
poison-tree-960x1024

De acordo com a psicologia budista, a raiva é um dos seis kleshas raiz, as emoções conflitantes que causam o nosso sofrimento. Seus companheiros são ganância, ignorância, paixão, inveja e orgulho.

A raiva pode ser quente ou congelante. A raiva pode ser virada para fora para outras pessoas, para uma situação particular com a qual você está preso ou com a vida em geral. Pode ser virada para dentro, sob a forma de auto-ódio, ressentimento ou rejeição das partes de você que o envergonham ou fazem você se sentir vulnerável. A raiva pode fazer você matar; pode levá-lo a cometer suicídio.

A raiva é alimentada pelo impulso de rejeitar, afastar, destruir. Está associada a um estado de dor intensa e claustrofobia. Essa qualidade da claustrofobia ou de ser espremido em um canto também se reflete nas origens da raiva da palavra inglesa, cuja raiz significa “estreito” ou “limitado”.

A raiva pode ser extremamente enérgica. Você se sente ameaçado e claustrofóbico e esse sentimento doloroso se intensifica até que você ataca como um rato encurralado. Ou pode se manifestar como um sutil corte de ressentimento que você carrega junto com você sempre, como um chip em seu ombro.

Como os outros kleshas, a raiva é parte da nossa maquiagem. Todos nós temos isso, mas lidamos com isso de forma muito diferente, tanto individual como culturalmente.

Porque a experiência da raiva é tão potente, geralmente tentamos nos livrar dela de alguma forma. Uma maneira de tentar livrar-se disso é infla-la ou reprimi-la, porque estamos envergonhados de reconhecer ou aceitar que pudéssemos nos sentir desse jeito. Outra maneira de tentar nos livrar da nossa raiva é agir impulsivamente através de palavras ou ações violentas, mas isso só alimenta mais raiva.

Como a raiva é uma parte natural de nós, não podemos realmente nos livrar dela, não importa o quanto tentemos. No entanto, podemos alterar a forma como nos relacionamos com ela. Quando o fazemos, começamos a vislumbrar uma qualidade escondida nesta força destrutiva que é sã e valiosa. Podemos salvar o bebê enquanto jogamos fora a água do banho.

No budismo existem muitas estratégias e práticas para lidar com a raiva. A abordagem geral é começar com a meditação. No contexto da prática de sessão formal, podemos começar a entender a energia da raiva, bem como os outros kleshas, e fazer um novo relacionamento com ela. Nessa base, podemos começar a aplicar esta visão no ambiente mais desafiador da vida cotidiana.

 

Como a atenção plena mina a agressão

A prática formal de mindfulness é o fundamento para explorar a poderosa energia da raiva. É difícil lidar com a raiva uma vez que ela explodiu, e é por isso que a prática de meditação é uma ferramenta tão útil. Ao abrandar e ao refinar nossos poderes de observação, podemos captar o surgimento da raiva em um estágio anterior, antes de ter uma chance de nos ultrapassar completamente.

A prática de ficar quieto, respirar naturalmente e olhar atentamente a experiência de momento a momento é, por si só, um antídoto contra a agressão. Isso é verdade porque a raiva e outras explosões emocionais prosperam ao serem invisíveis. Eles prosperam na capacidade de espreitar abaixo da superfície de nossa consciência e aparecer sempre que quiserem. Portanto, estender o limite de sua consciência tira o habitat natural que sustenta os kleshas.

Através da meditação, aprendemos a sintonizar o que estamos sentindo e a observar essa experiência sem paixão e com simpatia. Quanto mais pudermos fazer isso na prática formal de atenção plena, menos estaremos sob o controle de ferro da raiva. Por sua vez, mais possibilidades teremos de transformar nossa relação com raiva no meio da vida diária também.

Onde surge a raiva? Está na mente. Assim, ao domesticar a mente, podemos estabelecer uma base sólida para entender como a raiva surge em nós e como nós habitualmente respondemos a ela. Podemos ver como a raiva se espalha e se instala em nosso corpo, e como desencadeia dramas formulados sobre culpa e dor. Podemos expor nossas construções conceituais sobre raiva, nossas justificativas, defensividade e encobrimentos. Nessa base, podemos seguir usando a prática seguinte.

 

A árvore venenosa: Uma prática de raiva de 4 passos

Uma analogia tradicional para uma abordagem progressiva e passo a passo para lidar com a raiva e os outros kleshas é a árvore venenosa.

Como você lida com uma árvore venenosa? A primeira coisa que você pode fazer é podar, para evitar que ele seja muito grande ou se espalhe. Mas isso simplesmente mantém o controle. A árvore ainda está lá.

No entanto, uma vez que a árvore é de um tamanho mais gerenciável, pode ser possível desenterrar e livrar-se dela completamente, o que parece ser uma abordagem um pouco melhor.

Mas assim como você está prestes a fazer isso, você pode se lembrar que um médico disse uma vez que as folhas e a casca desta árvore possuem qualidades medicinais. Você percebe que não faz sentido simplesmente se livrar dessa árvore. Seria melhor usá-la.

Finalmente, de acordo com esta história, um pavão vem, percebe a árvore, e sem mais condições, felizmente a engole. O pavão instantaneamente converte esse veneno em comida.

 

1. Podando a árvore: se abster de se entregar à raiva
O primeiro passo é abster-se do discurso e das ações baseadas na raiva. Quando surge a raiva, geralmente ela já tomou conta de nós no momento em que percebemos isso. A intensidade da emoção e a reação a ela estão tão ligadas que se sentem quase simultâneas. Estamos desesperados por fazer algo com essa raiva, seja para alimentá-la ou para suprimi-la.

Nesta etapa, abster-se de fazer qualquer coisa, não importa o quão forte seja o desejo de fazê-lo. A prática é ficar com a experiência da raiva. Começamos no limite, com o segundo nível de pensamento, onde somos tentados a adicionar combustível à chama ou a tentar esmaga-la e livrar-se dela. A prática é não se envolver em nenhuma dessas duas estratégias. É estar com a nossa raiva sem interpretá-la ou criar estratégias.

Nossas reações tendem a ser tão fortes e imediatas que inicialmente não podemos realmente chegar à raiva em si. Mas, à medida que nossa reatividade se torna menos pesada, uma brecha pequena e quase minúscula se abre entre nossa raiva e nossa reação. Nessa lacuna é possível para nós estar com a raiva e, ao mesmo tempo, abster-se de ser envolvido nela. Podemos nos relacionar com a nossa raiva de forma mais pura e simples, sem pensamentos secundários.

 

2. Desenraizando a árvore: ver através da solidez aparente da raiva
Uma vez que possamos estar com a com mais abertura e menos julgamento, o segundo passo é analisá-la com mais precisão.

Quando surge raiva, a examinamos. Fazemos perguntas. Para o que damos o rótulo “raiva”? É uma percepção dos sentidos, um pensamento ou um sentimento? Quão real é isso? Quão invencível? Está parada? Está em movimento? Quando tentamos enquadrá-la, ela escapa? De onde isso vem? Onde isso vive? Para onde isso vai? Quais são as suas qualidades? Sua textura? Sua cor? Sua forma? O que dá raiva e poder sobre nós?

Nesta etapa, examinamos a raiva como um fenômeno simples. De onde vem a raiva? Qual é o objetivo? É nossa culpa ou é culpa de alguém ou outra coisa?

Olhe o mais diretamente possível. Quais são as raízes da raiva? O que é que a alimenta? Vá nível por nível, cada vez mais e mais profundamente. Você pode encontrar sua causa raiz?

 

3. Destilando a medicina: descobrindo a sabedoria no meio da dor
No terceiro passo, contemplamos o que é sobre a raiva que é prejudicial e o que pode ser benéfico. Como a raiva pode ser uma forma de remédio? Se nos livrássemos da nossa raiva, o que perderíamos?

Aqui, a prática é discernir a diferença entre a raiva prejudicial e a raiva que nos beneficia de alguma forma. Claramente, a expressão insensata da raiva através de palavras ou ações nos leva a prejudicar os outros e a sofrer. No entanto, reprimir nossa raiva também causa danos. A raiva na verdade não desaparece, mas aparece de forma desonesta, vestindo um disfarce. Então, existe outra opção?

De acordo com o budismo tibetano, há um outro lado da raiva: há sabedoria nela. Normalmente, estamos muito envolvidos em nossas lutas pessoais para nos conectarmos com essa sabedoria, mas a raiva realmente tem uma integridade e uma nitidez. É uma mensageira de que algo está errado, que algo precisa ser abordado. A energia despertada da raiva é dita ser cristalina, como um espelho perfeito. Ele diz como é sem dissimulação. A raiva limpa o ar. É imediato e é abrupto, mas agarra a nossa atenção e faz questão. A raiva interrompe nossa complacência e nos mobiliza para agir.

Quando nos encontramos com a injustiça que está sendo feita ao outro, quando vemos a violência infligida a seres inocentes, quando vemos as maneiras pelas quais os humanos justificam quase qualquer ato de violência, é doloroso e nos irrita. Portanto, a raiva poderia ser o catalisador que nos faz agir com coragem e compaixão para enfrentar a violência, a injustiça e a ignorância arraigada. E quanto mais claramente vemos essas tendências no mundo que nos rodeia, mais reconhecemos dentro de nós traços dessas mesmas tendências para a violência e para a dissimulação. Portanto, a raiva tem o poder de tirar as telas dos nossos olhos, cortar a nossa ignorância e evitar as duras realidades.

A força destrutiva da raiva é real e aparente. Ao enfrentar a força destrutiva, praticamos a contenção no primeiro passo e começamos a ver a aparente solidez da raiva no segundo. Agora estamos trabalhando com o potencial de sabedoria da raiva.

Na verdade, pode não ser a própria raiva, mas a nossa tendência para manter a nossa raiva, o roteiro que a acompanha e a auto-absorção que são tão prejudiciais. Quando a raiva nos desperta para um problema real que deve ser abordado, podemos responder revoltando a raiva e nos sentindo bem com relação a nós mesmos por fazer isso. Ou podemos realmente ouvir qualquer mensagem que a raiva nos traga, enquanto ao mesmo tempo abrimos mão do mensageiro. Então podemos lidar com o que nos foi exposto pelo espelho claro da raiva.

 

4. O Pavão: Engajando a Raiva Sem Medo ou Hesitação
O passo final não é realmente uma prática posterior, mas mais o resultado ou a fruição do domínio das outras três etapas. Continuamos a praticar a abstenção de exibições impulsivas de raiva, vendo através da aparente solidez da raiva e abrindo as mensagens que a ira traz sem nos apegar ao mensageiro. Quando podemos fazer tudo isso com facilidade, podemos finalmente começar a usar a raiva como uma ferramenta ou meio hábil. Se a raiva é chamada e pode ser útil, não temos medo de aplicá-la. E quando a ira destrutiva surge, não somos seduzidos, nem nos escapamos. Nós a devoramos com precisão. Não resta nem um rastro.

 

Texto publicado originalmente em Lions Roar e traduzido por Daniele Vargas.