Artigo - CIÊNCIA, MEDITAÇÃO,

Como seu cérebro se altera quando você medita

Ao criar novos caminhos no cérebro, a meditação pode transformar uma mente caótica em uma mais calma.

5
Shares
Neurogenesis

Não há muito tempo atrás, a maioria de nós pensava que o cérebro com que nascíamos era estático – e que depois de uma certa idade, os “cartões” de circuitos neurais que tínhamos eram os únicos que possuíamos para “usar” a longo prazo.

Se avançarmos rapidamente uma década ou duas, estamos nos deparando com o oposto: o cérebro é projetado para adaptar-se constantemente. O neurocientista de renome mundial Richie Davidson do Center for Healthy Minds da Universidade de Wisconsin-Madison, junto com os seus colegas, quer que nós saibamos de 3 coisas:

1) você pode treinar seu cérebro para mudar

2) a mudança é mensurável,

3) novas formas de pensar podem mudar-lo para melhor.

É difícil compreender como isso é possível. Meditar não é nada como tomar um comprimido ou outra correção que atua rapidamente, entrando em nossa corrente sanguínea, atravessando a barreira sanguínea do cérebro, se necessário, a fim de produzir uma sensação imediata, ou uma maçante.

Mas, assim como nós aprendemos a tocar piano com a prática, o mesmo vale para desenvolvimento do bem-estar e felicidade. Davidson afirmou que o cérebro continua a mudar ao longo de toda sua vida. Ele considera que é uma notícia muito boa:

“Podemos intencionalmente moldar a direção das mudanças de plasticidade em nosso cérebro. Ao nos concentrarmos em pensamentos benéficos por exemplo, e dirigindo nossas intenções dessa maneira, podemos potencialmente influenciar a plasticidade do nosso cérebro e moldá-lo de maneira vantajosa. Isso nos leva à conclusão inevitável que qualidades como bondade e bem-estar devem ser consideradas como capacidades.”

Davidson acrescenta que a investigação sobre a neuroplasticidade dá aos neurocientistas um “framework” para acompanhar as pesquisas sobre a meditação. E o Instituto está começando a ver que “mesmo quantidades curtas de prática”, como 30 minutos de meditação por dia “, pode induzir mudanças mensuráveis no cérebro”, que pode ser monitorado em um scanner cerebral.

Com base em pesquisas recentes, escolhemos compartilhar, quatro alterações do cérebro que podem acontecer se você praticar a atenção plena:

  1. Aumento Da Matéria Cinzenta / da Espessura Cortical nas seguintes áreas-chave:
  • Cortex Cingulado Anterior: Verificou-se o aumento da matéria cinzenta observado no córtex cingulado anterior (ACC), que é uma estrutura localizada atrás do lóbulo frontal do cérebro. Tem sido associado com funções tais como: processos de auto-regulação, incluindo a capacidade de monitorizar os conflitos de atenção, e para permitir mais flexibilidade cognitiva.
  • Córtex pré-frontal: Aumento da densidade de substância cinzenta também foi encontrada em áreas do lobo pré-frontal, que são os principais responsáveis pela função executiva, como planejamento, resolução de problemas e regulação das emoções.
  • Hipocampo: Aumento da espessura cortical no hipocampo, também foi observado. O hipocampo é a parte do sistema límbico que governa a aprendizagem e a memória, e é extraordinariamente suscetível ao estresse e transtornos relacionados ao estresse, como depressão ou estresse pós traumático.
  1. Diminuição do tamanho Amigdala:

Estudos têm demonstrado que a amígdala, conhecida como o centro de “luta ou fuga” do nosso cérebro e a central de nossas emoções de medo e ansiedade, diminui de volume das células do cérebro depois da prática da meditação.

  1. Funcionalidade reduzida ou aprimorada em determinadas redes / conexões:

Não só a amígdala encolhe após a prática, como também as ligações funcionais entre a amígdala e o córtex pré-frontal são enfraquecidas. Isto permite menos reatividade e também abre o caminho para conexões entre áreas associadas com funções superiores do cérebro a fim de ser reforçadas (ou seja, atenção, concentração, etc.).

  1. Atividade reduzida do Centro “EU” Cérebro

O Modo Parão de Rede (DMN) é ativado quando nossas mentes estão sem rumo e vai de pensamento em pensamento, uma resposta que é por vezes comparada com a ruminação e nem sempre adaptativa no que diz respeito a alegria geral. A prática de meditação reduz a ativação desta “mente de macaco”.

O impacto que a prática exerce sobre o nosso cérebro está a cargo da rotina: uma avaliação lenta, constante e consistente das nossas realidades, e a capacidade de dar um passo atrás, torna-nos mais alertas, mais tolerantes, menos críticos e menos reativos. Assim como tocar piano uma e outra vez ao longo do tempo fortalece e apoia as redes cerebrais envolvidas com a reprodução de música, a atenção plena ao longo do tempo pode tornar o cérebro e, portanto, nós próprios, mais presentes, com uma propensão a responder os desafios do mundo de forma lúcida ao invés de reagir sem consciência.

Comentários no Facebook
Escrito por
Richard Davidson

Richard J. Davidson (nascido em 12 de Dezembro de 1951) é um cientista da Universidade de Winsconsin- Madison.

Tags
Ocultar Comentários