Artigo - MEDITAÇÃO, MOTIVAÇÃO,

A pergunta sobre progresso

Como em qualquer tentativa artística, a meditação é uma questão de prática.

0
Shares
McLeod_flute2-1-560x373

“Eu já tenho meditado há algum tempo, mas minha mente parece tão caótica e confusa quanto quando eu comecei. Estou fazendo algo errado?”

Quase todo mundo que pratica meditação tem preocupações semelhantes, não importa há quanto tempo elas o fazem – três semanas, três anos ou três décadas. Quando os alunos me confrontam com a questão do progresso, eu apenas tento redirecionar a atenção deles. Descobri que a melhor coisa é que eles continuem praticando.

Nós chamamos de “prática” de meditação por uma razão. Qualquer forma de prática consiste em fazer algo repetidas vezes e falhar de novo e de novo. Através deste processo, nós gradualmente construímos as capacidades que tornam possível fazer o que estamos praticando. Não há nada de especial sobre meditação: como qualquer outra coisa, é uma coleção de habilidades.

Grande parte da confusão sobre meditação resulta do fato de que os diferentes processos envolvidos tendem a ser agrupados sem diferenciação clara. É como se aprendendo a tocar flauta, não distinguimos entre soprar um tom longo e sustenido e um redondo completo, ou entre as habilidades de tocar e dedilhar.

Quando se trata de meditação, algumas pessoas conseguem ficar paradas sem tensão em seus corpos; outras são capazes de rastrear o ir e vir da respiração; outros ainda são capazes de se abrir para tudo que experimentam; e outros ainda se destacam em um foco claro e preciso, em visualizações e assim por diante. Há muitas maneiras de praticar a meditação, mas todas elas envolvem várias habilidades separadas.

Tal como acontece com os esforços atléticos ou artísticos, se levamos a sério a meditação, gastamos muito tempo treinando nessas habilidades básicas. Nós não treinamos todas as habilidades necessárias ao mesmo tempo; nós treinamos uma e depois outra. É repetitivo e não é particularmente excitante. Mas à medida que adquirimos competência e proficiência em cada uma, nos tornamos capazes de combiná-las de maneiras cada vez mais complexas. Então as coisas começam a ficar interessantes.

Mas mesmo assim, não podemos esperar sucesso em todas as tentativas. Estamos treinando e como sabemos que estamos treinando, precisamos estar dispostos a aprender com nossos fracassos. Cada falha revela o que nos falta em precisão, força, flexibilidade, resiliência, resistência ou destreza.

Nós aprendemos onde estão nossas fraquezas e como compensa-las ou remediá-las. E também passamos a apreciar onde estão nossos pontos fortes e como construí-los.

Se estamos aprendendo a tocar uma música, praticamos e praticamos e gradualmente reunimos o necessário. Nós nos tornamos capazes de manter notas sustentadas com bom tom para que possamos tocar as passagens mais lentas. Nossos dedos desenvolvem a flexibilidade e a destreza para lidar com as partes mais rápidas e mais complexas.

Eu posso tocar peças líricas lindamente, mas eu nunca posso ser bom no tipo de pirotecnia necessária para performances solo. E você pode ser capaz de trazer a paixão e o poder em Beethoven, mas perder a nuance nos sutis duetos de Satie com o silêncio. E é assim que é.

Os aplicativos, os dispositivos de feedback neural e outros instrumentos para rastrear vários estados corporais e neurológicos que entraram no mercado espiritual podem ser úteis para desenvolver e refinar certas habilidades. Mas faz tanto sentido reduzir o progresso da meditação a medidas como reduzir música, por quanto tempo conseguimos manter uma nota sustentada ou quão rapidamente podemos tocar uma certa escala.

Quando se trata de meditação, temos que olhar para as diferentes habilidades envolvidas e descobrir como treinar em cada uma delas.

Pegue a mindfulness, por exemplo. Recentemente atraiu muita atenção, mas em termos de habilidades de meditação, é apenas uma das muitas. Se considerarmos a mente como um instrumento musical, a atenção plena envolve simplesmente aprender a tocar em sintonia. Isso é muito importante – se não podemos tocar afinado, nada que tocamos soa bem e outras pessoas provavelmente não vão querer tocar música conosco – mas, mesmo depois de dominar a música, ainda temos que aprender a tocar melodias reais para fazer música de verdade. A atenção plena pode ser ótima para o barroco, mas quando descobrimos o blues, encontramos todo um novo conjunto de habilidades para aprender. O mesmo vale para a meditação.

Então vem a questão do compromisso. Mais uma vez, as semelhanças com a música são impressionantes. Se praticarmos meia hora por dia em um instrumento musical, aprenderemos lentamente a tocá-lo. Se praticarmos uma hora ou várias horas por dia, nossas habilidades se desenvolverão mais rapidamente. Por outro lado, se praticarmos demais, poderemos nos esgotar e não conseguiremos aprender nada. Assim, como acontece com muitos outros aspectos da vida, o equilíbrio é importante.

Mas de todo modo por que praticar?

Embora existam benefícios bem documentados para a meditação, aproximar-se da meditação para seus benefícios particulares é muito parecido com o exercício para se manter em forma. Torna-se uma tarefa, outra coisa a fazer. Esta não é a melhor abordagem. Frequentemente, resulta em uma forma não tão sutil de ressentimento que prejudica a equanimidade e a facilidade necessária para a prática efetiva.

Embora a meditação seja agora mais frequentemente apresentada como algo “bom para nós”, ela está mais próxima de uma forma de arte. Difícil e desafiadora, ela requer um conjunto complexo de habilidades. E é preciso tempo e esforço para aprender, quanto mais para dominar.

Mais uma vez, os paralelos com a música são interessantes: às vezes podemos nos ressentir das muitas horas que tivemos que colocar em prática, mas o prazer que experimentamos em tocar música nos dá prazer para os outros ao longo de nossas vidas.

Se tomarmos a meditação como faríamos em qualquer outra atividade artística, é improvável que tenhamos arrependimentos. Muito pelo contrário, o significado da prática vai crescer e se desdobrar ao longo de nossas vidas.

Artigo originalmente publicado na Tricyle e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook
Escrito por
Tags
Ocultar Comentários