Artigo - Compaixão, EQUILÍBRIO EMOCIONAL, MOTIVAÇÃO, QUOTIDIANO,

A resposta para raiva e agressão é paciência

1 comment

Podemos reprimir a raiva e a agressão ou agir de qualquer forma, tornando as coisas piores para nós mesmos e para os outros. Ou podemos praticar a paciência: espere, experimente a raiva e investigue sua natureza. Pema Chödrön nos leva passo a passo através desta prática poderosa.

0
Shares
Ljetni-odmor

Os ensinamentos nos dizem que paciência é o antídoto para raiva e agressão. Quando sentimos agressão em todas as suas formas – ressentimento, amargura, sermos muito críticos, reclamar e assim por diante – podemos aplicar as diferentes práticas que recebemos e todos os bons conselhos que ouvimos e damos a outras pessoas. Mas muitas vezes isso não parece nos ajudar. É por isso que esse ensinamento sobre paciência me chamou a atenção há alguns anos, porque é muito difícil saber o que fazer quando alguém sente raiva e agressão.

Eu pensei, se a paciência é o antídoto para a agressão, talvez eu tente isso. No processo, aprendi muito sobre o que é paciência e sobre o que não é. Gostaria de compartilhar com você o que aprendi para incentivá-los a descobrirem por si mesmos como a paciência funciona contra a agressão.

Para começar, aprendi sobre a paciência e a cessação do sofrimento. É dito que a paciência é uma maneira de diminuir a agressão. Estou pensando aqui em agressão como sinônimo de dor. Quando nos sentimos agressivos – e, em certo sentido, isso se aplica a qualquer sentimento forte – há uma enorme qualidade fértil que nos puxa na direção de querer obter alguma resolução. Dói tanto sentir a agressão que queremos que ela seja resolvida.

Então, o que costumamos fazer? Nós fazemos exatamente aquilo que vai escalar a agressão e o sofrimento. Nós atacamos; nós batemos de volta. Algo magoa nossos sentimentos, e inicialmente há alguma suavidade lá – se você é rápido, consegue perceber -, mas normalmente você nem percebe que há alguma suavidade. Você se encontra no meio de um estado mental quente, barulhento, pulsante, querendo-ficar-quites-com-alguém: há uma qualidade muito pesada ali. Com suas palavras ou suas ações, a fim de escapar da dor da agressão, você cria mais agressividade e dor.

A essa altura, paciência significa ficar esperto: você para e espera. Você também tem que calar a boca, porque se você disser alguma coisa, será agressivo, mesmo se você disser: “Eu te amo”.

Certa vez, quando fiquei muito zangado com um colega meu, liguei para ele pelo telefone. Eu nem me lembro agora do que eu estava com raiva, mas na época eu não consegui dormir porque estava tão furiosa. Eu tentei meditar com a minha raiva e trabalhar com ela e praticar com ela, mas nada ajudou, então eu apenas me levantei no meio da noite e liguei para ele. Quando ele atendeu o telefone, tudo o que eu disse foi: “Oi, Yeshe”. Mas ele imediatamente perguntou: “Eu fiz algo errado?” Eu pensei que iria muito docemente cobrir o que eu realmente estava sentindo e dizer algo agradável sobre as coisas ruins que ele tinha feito, o que quer que fossem. Mas apenas pelo tom da minha saudação a ele, ele sabia. É assim que é com a agressão: você não pode nem falar, porque todo mundo vai sentir as vibrações. Não importa o que esteja saindo da sua boca, é como se você estivesse sentado em cima de um barril de dinamite e ele está vibrando.

Paciência tem muito a ver com ficar esperto nesse ponto e apenas esperar: não falar ou fazer nada. Por outro lado, também significa ser completamente e totalmente honesto consigo mesmo sobre o fato de você estar furioso. Você não está suprimindo nada – a paciência não tem nada a ver com a supressão. Na verdade, tem tudo a ver com um relacionamento gentil e honesto consigo mesmo. Se você esperar e não alimentar seu pensamento discursivo, pode ser sincero sobre o fato de estar com raiva. Mas, ao mesmo tempo, você pode continuar a abandonar o diálogo interno. Nesse diálogo você está culpando e criticando, e então provavelmente se sentindo culpado e se martelando por isso. É torturante, porque você se sente mal por estar tão zangado ao mesmo tempo em que realmente fica com muita raiva e não consegue soltar. É doloroso experimentar uma confusão tão terrível. Ainda assim, você apenas espera e permanece paciente com a sua confusão e com a dor que vem com isso.

A paciência tem uma qualidade de enorme honestidade, mas também tem uma qualidade de não escalar coisas, permitindo muito espaço para a outra pessoa falar, para a outra pessoa se expressar, enquanto você não reage, mesmo que de dentro você esteja reagindo. Você deixa as palavras irem e apenas permanece lá.

Isso sugere o destemor que acompanha a paciência. Se você praticar o tipo de paciência que leva à desescalada da agressão e à cessação do sofrimento, você estará cultivando uma enorme coragem. Você realmente vai conhecer a raiva e como ela gera palavras e ações violentas. Você vai ver a coisa toda sem agir. Quando você pratica a paciência, você não está reprimindo a raiva, você está apenas sentado lá com ela – sendo fria com a agressão. Como resultado, você realmente conhece a energia da raiva e também fica sabendo para onde ela leva, mesmo sem ir até lá. Você expressou sua raiva tantas vezes, sabe aonde isso vai levar. O desejo de dizer alguma coisa má, fofocar, difamar, reclamar – apenas de alguma maneira se livrar dessa agressão – é como um maremoto. Mas você percebe que tais ações não se livram da agressão; eles a escalonam. Então, você fica paciente, paciente consigo mesmo.

Desenvolver paciência e ausência de medo significa aprender a ficar quieto com o nervosismo da energia. É como sentar em um cavalo selvagem ou em um tigre selvagem que poderia te comer. Há um conto para esse efeito: “Havia uma jovem senhora do Níger, que sorria enquanto montava um tigre. Eles voltaram de carona com a senhora do lado de dentro e o sorriso no rosto do tigre.” Sentir o seu desconforto parece ser cavalgar naquele tigre, porque é muito assustador.

Quando examinamos esse processo, aprendemos algo muito interessante: não há resolução. A resolução que os seres humanos buscam vem de um tremendo mal-entendido. Achamos que podemos resolver tudo! Quando nós, seres humanos, sentimos uma energia poderosa, tendemos a ficar extremamente desconfortáveis até que as coisas sejam resolvidas de algum modo seguro e reconfortante, seja do lado do sim ou do lado do não. Ou o lado certo ou o lado errado. Ou o lado de qualquer coisa em que possamos nos agarrar.

Mas a prática que estamos fazendo não nos dá nada para segurar. Na verdade, os próprios ensinamentos não nos dão nada para nos segurar. Ao trabalhar com paciência e destemor, aprendemos a ser pacientes com o fato de que somos seres humanos, que todo mundo que nasce e morre desde o início dos tempos até o fim dos tempos naturalmente vai querer algum tipo de resolução para essa energia irritada e mal-humorada. E não há nenhuma. A única resolução é temporária e só causa mais sofrimento. Descobrimos que, de fato, alegria e felicidade, paz, harmonia e estar em casa consigo mesmo e com seu mundo vêm de ficar quieto com o mau humor da energia até que ela se eleve, se estabilize e desapareça. A energia nunca se resolve em algo sólido.

Então, o tempo todo, ficamos no meio da energia. O caminho de tocar na inerente suavidade do coração genuíno é ficar quieto e ser paciente com esse tipo de energia. Nós não temos que nos criticar quando falhamos, mesmo que por um momento, porque somos apenas seres humanos completamente típicos; a única coisa que é única sobre nós é que somos corajosos o suficiente para entrarmos nessas coisas mais profundamente e explorar além da nossa reação superficial de tentar obter uma base sólida sob nossos pés.

A paciência é uma prática extremamente maravilhosa e de apoio e até mesmo mágica. É uma maneira de mudar completamente o hábito humano fundamental de tentar resolver as coisas indo para a direita ou para a esquerda, fazendo as coisas certas ou chamando as coisas de erradas. É o caminho para desenvolver coragem, a maneira de descobrir o que é realmente a vida.

A paciência também não está ignorando. Na verdade, paciência e curiosidade andam juntas. Você se pergunta: quem sou eu? Quem sou eu no nível dos meus padrões neuróticos? Quem sou eu no nível além do nascimento e da morte? Se você deseja investigar a natureza do seu próprio ser, você precisa ser curioso. O caminho é uma jornada de investigação, começando a olhar mais profundamente para o que está acontecendo. Os ensinamentos nos dão muitas sugestões sobre o que podemos procurar, e as práticas nos dão muitas sugestões sobre como procurar. Paciência é uma sugestão extremamente útil. Agressão, por outro lado, nos impede de olhar: isso coloca uma tampa apertada em nossa curiosidade. Agressão é uma energia que é determinada a resolver a situação em um padrão rígido, sólido e fixo, no qual alguém ganha e alguém perde.

Quando você começa a investigar, você percebe, por um lado, que sempre que há dor de qualquer tipo – dor de agressão, luto, perda, irritação, ressentimento, ciúme, indigestão, dor física – se você realmente olhar para isso, você pode descobrir por si mesmo que por trás da dor há sempre algo a que estamos ligados. Sempre há algo em que estamos nos mantendo.

Eu digo isso com tanta confiança, mas você tem que descobrir por si mesmo se isso é realmente verdade. Você pode ler sobre isso: a primeira coisa que o Buda ensinou foi a verdade de que o sofrimento vem do apego. Isso está nos textos. Mas quando você mesmo descobre, vai um pouco mais fundo imediatamente.

Assim que você descobre que por trás de sua dor está algo em que você está se segurando, você está em um lugar que você frequentemente experimentará no caminho espiritual. Depois de um tempo, parece que quase todos os momentos da sua vida você está lá, a ponto de perceber que você realmente tem uma escolha. Você tem a escolha de abrir ou fechar, segurar ou largar, endurecer ou amolecer.

Essa escolha é apresentada a você de novo e de novo e de novo. Por exemplo, você está sentindo dor, você olha profundamente para ele e percebe que há algo muito difícil o qual você está segurando. E então você tem uma escolha: você pode deixar ir, o que basicamente significa que você se conecta com a suavidade por trás de toda essa dureza. Talvez cada um de nós tenha feito a descoberta de que, por trás de toda a dureza da resistência, do estresse, da agressividade e do ciúme, há uma maciez enorme que estamos tentando cobrir. Agressão geralmente começa quando alguém machuca nossos sentimentos. A primeira resposta é muito suave, mas antes mesmo de percebermos o que estamos fazendo, nos fortalecemos. Então, podemos nos soltar e nos conectar com essa suavidade, ou podemos continuar nos aguentando, o que significa que o sofrimento continuará.

Requer enorme paciência até ser curioso o suficiente para procurar, investigar. E então, quando você percebe que tem uma escolha, e que há realmente algo a que você está ligado, é preciso muita paciência para continuar entrando. Porque você vai querer entrar em negação, encerrar. Você vai dizer para si mesmo: “Eu não quero ver isso”. Você terá medo, porque mesmo que esteja começando a se aproximar, o pensamento de deixar ir normalmente é muito assustador. Você pode sentir que vai morrer ou que algo vai morrer. E você vai estar certo. Se você deixar ir, algo vai morrer. Mas é algo que precisa morrer e você se beneficiará muito com essa morte.

Por outro lado, às vezes é fácil deixar ir. Se você fizer essa jornada para ver se há alguma coisa em que está se segurando, muitas vezes isso será apenas uma pequena coisa. Certa vez, quando eu estava preso a algo enorme, Trungpa Rinpoche me deu alguns conselhos. Ele disse: “Isso é muito grande; você não pode desistir ainda, então pratique com as coisas pequenas. Basta começar a perceber todas as pequenas coisas que você segura quando é realmente muito fácil e apenas pegue o jeito de deixar ir.”

Isso foi um conselho extremamente bom. Você não tem que fazer o grande, porque geralmente você não pode. É muito ameaçador. Pode até ser muito duro soltar-se ali mesmo naquele momento. Mas mesmo com pequenas coisas, você pode – talvez apenas intelectualmente – começar a ver que deixar ir pode trazer uma sensação de enorme alívio, relaxamento e conexão com a suavidade e ternura do coração genuíno. A verdadeira alegria vem disso.

Você também pode ver que aguentar aumenta a dor, mas isso não significa que você será capaz de desistir, porque há muito em jogo. O que está em jogo é todo o sentido de quem você é, toda a sua identidade. Você está começando a se mover para o território da ausência de ego, a natureza insubstancial de si mesmo – e de tudo, para esse ponto. Ensinamentos teóricos, filosóficos e que soam distantes podem ser bem reais quando você começa a ter uma noção do que eles estão realmente falando.

É preciso muita paciência para não martelar-se por ser um fracassado em deixar ir. Mas se você aplicar paciência ao fato de não poder desistir, de alguma forma isso ajuda você a fazer isso. A paciência com o fato de que você não pode deixar de ir ajuda você a chegar ao ponto de deixar ir gradualmente – a uma velocidade muito sensata e amorosa, na velocidade que sua sabedoria básica permite que você se mova. É um grande momento até chegar ao ponto em que você percebe que tem uma escolha. A paciência é o que você precisa nesse momento para apenas esperar e suavizar, para se sentar com a inquietação, nervosismo e desconforto da energia.

Eu descobri que a paciência tem muito humor e diversão. É um mal-entendido pensar nisso como resistência, como “apenas sorria e aguente”. Resistência envolve algum tipo de repressão ou tenta viver de acordo com os padrões de perfeição de outra pessoa. Em vez disso, você acha que precisa ser bastante paciente com o que vê como suas próprias imperfeições. Paciência é uma espécie de sinônimo de bondade amorosa, porque a velocidade da bondade amorosa pode ser extremamente lenta. Você está desenvolvendo paciência e bondade para suas próprias imperfeições, para suas próprias limitações, para não viver de acordo com seus próprios ideais elevados. Há um slogan que uma vez surgiu com o que eu gosto: “Diminua seus padrões e relaxe em como é.” Isso é paciência.

Um dos slogans do professor indiano Atisha diz: “Seja qual dos dois que ocorra, seja paciente.” Isso significa que se ocorrer uma situação dolorosa seja paciente, e se ocorrer uma situação agradável, seja paciente. Este é um ponto interessante em termos de paciência e cessação do sofrimento, paciência e destemor, paciência e curiosidade. Nós estamos pulando o tempo todo: seja dor ou prazer, queremos resolução. Então, se estamos realmente felizes e algo é ótimo, também podemos ser pacientes, em termos de não apenas preencher o espaço, indo a milhões de quilômetros por hora – compra de impulso, fala de impulso, atuação de impulso.

Gostaria de enfatizar que uma das coisas com as quais você mais precisa ter paciência é: “Oops, eu fiz de novo!” Há um slogan que diz: “Um no início e outro no final”. Isso significa que quando você acorda de manhã, você resolve, e no final do dia você revê, com uma atitude carinhosa e gentil, como você fez. Nossa resolução normal é dizer algo como “eu vou ser paciente hoje”, ou algum outro tipo de esquema (como alguém disse, planejamos nosso próximo fracasso). Ao invés de se preparar, você pode dizer: “Hoje vou tentar o melhor que eu puder para ter paciência”. E então, à noite, você pode olhar para trás o dia todo com bondade e não se martirizar. Você é paciente com o fato de que, quando revisa o seu dia, ou mesmo os últimos quarenta minutos, descobre: “Eu falei e preenchi todo o espaço, assim como fiz toda a minha vida, até onde posso lembrar. Eu fui agressivo com o mesmo estilo de agressão que uso desde que me lembro. Eu me empolguei com a irritação exatamente da mesma forma que na último vez… ” Se você tem vinte anos, faz vinte anos que você tem feito dessa maneira; se você tem setenta e cinco anos, são setenta e cinco anos que você tem feito dessa maneira. Você vê isso e diz: “Me dá um tempo!”

O caminho do desenvolvimento da bondade amorosa e da compaixão é ser paciente com o fato de você ser humano e de cometer esses erros. Isso é mais importante do que acertar. Parece funcionar apenas se você quiser se dar um tempo, relaxar, enquanto pratica o desenvolvimento da paciência e de outras qualidades, como generosidade, disciplina e insight. Como no resto dos ensinamentos, você não pode ganhar e não pode perder. Você não pode simplesmente dizer: “Bem, como eu nunca sou capaz de fazer isso, não vou tentar.” Você nunca é capaz de fazer isso e ainda tenta. E, curiosamente, isso se soma a algo; acrescenta bondade para si e para os outros. Você olha em seus olhos e se vê onde quer que vá. Você vê todas essas pessoas que estão perdendo, assim como você. Então, você vê todas essas pessoas que se pegam e lhe dão o dom do destemor. Você diz: “Oh, uau, que corajoso – ele ou ela se pegou”. Você começa a apreciar até mesmo o menor gesto de bravura por parte dos outros porque sabe que não é fácil, e isso inspira você tremendamente. É assim que podemos nos ajudar mutuamente.

Artigo originalmente publicado em Lions Roar e traduzido por Daniele Vargas

Comentários no Facebook
Escrito por
Pema Chodron

Pema Chödrön é uma monja, que pratica na tradição do budismo tibetano. Foi uma discípula de Chögyam Trungpa Rinpoche, cujos ensinamentos ela continua a disseminar entre estudantes ocidentais do mundo inteiro.

Tags
Ocultar Comentários
  • Francis Souza

    Que lindo e revelador. Obrigado